Estão encontrados os vencedores da 2ª edição dos Prémios Kubikuz 2018. Na categoria de Habitação Social Urbana venceu a candidatura 1, ao passo que na categoria de Habitação Social Rural triunfou a candidatura B. Os vencedores foram conhecidos na cerimónia de entrega dos prémios que teve lugar no Museu Nacional de História Militar, no dia 27 de Setembro.

O melhor projecto de Habitação Social Urbana é assinado pelo arquitecto Manuel Francisco e pelo engenheiro Elísio da Cruz, tendo obtido 59 pontos, enquanto que o melhor projecto de Habitação Social Rural, assinado pelo arquitecto João da Cunha e o pelo engenheiro Elói Figueiredo foi distinguindo com 65 pontos pelo Júri.

Foram ainda atribuídas menções honrosas à proposta 4 da categoria de Habitação Social Urbana apresentada pelo Instituto Superior Politécnico Alvorecer da Juventude subscrita pelo arquitecto Basílio de Murta e pelo engenheiro António Gomes, bem como à candidatura F da Habitação Social Rural assinada pelo arquitecto Carlos Costa e pelo engenheiro Manuel Borges.

Os vencedores das duas categorias receberam um prémio pecuniário de Kz 2.500.000,00 (Dois milhões e quinhentos mil kwanzas) cada, bem como troféus e certificados de distinção.

Os critérios de pontuação foram baseados nos elementos que integraram nos respectivos projectos à luz do regulamento, nomeadamente: inovação, funcionalidade, predominância de recursos locais, integração no ambiente, sustentabilidade energética e hídrica, menor custo final das casas.

Dos 13 projectos concorrentes, sendo 7 na categoria de Habitação Social Urbana e 6 na categoria de Habitação Social Rural, foram desclassificadas 3 candidaturas da categoria de Habitação Social Urbana e 2 de Habitação Social Rural por conterem a identificação dos autores nas peças gráficas ou na versão digitalizada entregue, o que não é permitido pelo regulamento do concurso.

A abertura da cerimónia esteve a cargo da ministra do Ordenamento do Território e Habitação, Ana Paula de Carvalho. Estiveram ainda presentes distintas figuras como o vice-governador de Luanda para os serviços técnicos e infraestruturas, Paulo Kai entre outras entidades da sociedade.

A iniciativa enquadra-se no âmbito da responsabilidade social da Imogestin que pretende contribuir para o surgimento de projectos de habitação social que sejam acessíveis a maioria da população angolana

.